Valesca detona reação homofóbica de Levy Fidelix em artigo

Home / Colunas / Valesca detona reação homofóbica de Levy Fidelix em artigo
Valesca detona reação homofóbica de Levy Fidelix em artigo

Em carta aberta ao jornal Extra, a cantora revelou sua indignação sobre as opiniões do candidato
Após a polêmica reação homofóbica de Levy Fidelix no debate entre os presidenciáveis, realizado no último domingo na TV Record, Valesca Popozuda detonou o candidato em uma carta aberta ao jornal Extra. Ao ser questionado sobre o casamento homoafetivo, Fidelix respondeu à Luciana Genro, do PSOL: “pelo que eu vi na vida, dois iguais não fazem filho” e “aparelho excretor não reproduz”. A resposta do candidato causou muita fúria e indignação entre todos, inclusive em Valesca que sempre defendeu a causa LGBT e disse: “daria graças a Deus por meu filho ser gay e não um ser humano como esse senhor Levy Fidelix”.
valesca_popozuda
Confira o artigo completo a seguir:
As declarações do senhor Levy Fidelix me chocaram. Jamais imaginaria que uma pessoa fosse capaz de soltar tanta maldade e ódio. Os políticos precisam cuidar é da saúde, educação e segurança. O que esse senhor disse “somos a maioria, vamos combater a minoria” foi declarar guerra. Já imaginou se o mundo pensasse assim? Se então fossemos pra rua atacar qualquer tipo de minoria! Acabaríamos com a humanidade.
E “dois iguais não se reproduzem”? Meu caro, muitas vezes, os heteros jogam seus filhos no lixo, abandonam e até mesmo matam por falta de amor. Tenho certeza que “dois iguais” seriam uma excelente família, com muito carinho e amor. Tenho pena de quem convive com esse homem e não desejo, jamais, que ele tenha um filho ou neto gay. Porque ninguém merece ter esse homem como parente na vida. Uma vez, me perguntaram: “Valesca, e se seu filho fosse gay?”. Eu, hoje, digo que daria graças a Deus por ele ser gay e não ser um ser humano como esse senhor Levy Fidelix. Aí, sim, seria um desgosto pra qualquer mãe ter um filho como esse homem.
Senhores políticos, vamos parar de misturar religião e assumir o problema da homofobia. Vamos agir mais e parar de fazer apoios apenas para ganhar votos. Quero ver ação e não apenas promessas. Os gays precisam de uma lei e, não, de encenação”.

Deixe um Comentário

Your email address will not be published.